Prioridades de obras em casa

Se eu tivesse lido um artigo como este antes de começar a fazer a obra da minha casa, teria poupado muitos euros e opções menos vantajosas. Por isso, creio que não é presunção da minha parte auto intitular-me como a salvação para os peregrinos das obras. Os fracos e oprimidos que sofrem com as consequências das remodelações em casa e que acham que ela jamais estará pronta. Os empreiteiros não mentem quando dizem que “…a casa estará pronta em Agosto.” Ele não disse o ano.

Bom. Mas vamos ao que vos trouxe aqui. Prioridades de obras em casa.

  • Disposição de tomadas – sim, ainda nem estão com ideias de decoração e já têm de saber onde colocar as tomadas.
  • Tipo de aquecimento – se puderem, escolham o pavimento aquecido. A melhor, mais eficaz, cómoda e económica solução de aquecimento numa casa. Oh yeah. Mais eficaz porque o calor se distribui por igual em toda a área da casa, mais cómodo porque é um sonho andar descalça em pleno inverno com o chão quentinho, e económica pela gestão de calor, se, repito SE, tiverem um sistema de painéis solares. Já aqui escrevi sobre a Energie Portugal . Caso não tenham painéis solares, gastam o que têm e o que não têm na fatura da eletricidade. E porquê têm de decidir este pavimento logo no início da obra? Isto porque querendo avançar para pavimento aquecido, o chão terá uma altura superior ao normal o que fará com que o pé direito da casa diminua. Esta questão é particularmente pertinente se forem colocar tecto falso, para não ficaram com 1,50m de altura de parede. O pavimento aquecido não suporta um chão flutuante normal, terá de ser específico, por isso atenção redobrada. Não obstante, há outras questões técnicas que têm de ficar logo definidas, mas o profissional falará convosco sobre todos os detalhes. Eu só não ponho pavimento aquecido porque não sabia desta questão da altura do chão e não fui a tempo 😑
  • Aquecimento central – não podendo colocar o pavimento aquecido, toca de decidir onde colocar os mamarrachos em causa logo no início da obra. Para não colidir com a decoração mas principalmente, para trazer calor bem distribuído à casa e proporcional à dimensão da zona onde vão estar
  • Sanitas/autoclismos – yeap, uma pessoa ainda está a ver tijolos a entrar em casa e já está a decidir descargas…
  • Rodapés – mais uma dor na minha alma. Se eu soubesse, se alguém me tivesse dito antes, colocaria rodapés ocultos em toda a casa. Sim, aqueles males necessários que só servem para acumular pó e não dar quinadas nas paredes com o aspirador , podem ficar ocultos. Basta que na construção da parede, no caso de ser revestida em pladur, não se vá até ao chão e se deixe espaço para o rodapé. Fica assim ao nível da parede, esteticamente muito melhor e quase imperceptível
  • Pontos de luz/focos – a distribuição dos pontos de luz e focos tem de ficar definida no início, sendo depois decidida com rigor depois dos tectos falsos estarem colocados. Hoje em dia usa-se mais um espaçamento de 1m entre focos, sendo que estes fazem uma linha paralela com as paredes. Diz que é moda. Na minha antiga casa não me avisarem disto e tinha focos com 50 cm de diferença entre eles. Às vezes tinha de usar óculos de sol para conseguir estar na minha sala….Se querem candeeiros suspensos devem também definir asap.
  • Duche – com canalização dentro ou fora da parede? Torneiras de parede ou de bancada? Chuveiro que sai de dentro do tecto falso? Tudo convém ficar definido o quanto antes. O canalizador faz tudo de uma assentada e acreditem que não vão querer que ele fique parado nem um segundo…
  • Pavimento exterior – por uma questão de regularização de chão/nivelamento e tempo de chegada dos materiais à obra, é decidir assim que possam
  • Carpintaria – não obstante ser arte para levar 1/3 do orçamento de obra, é coisa para demorar 60 a 90 dias a fazer. Não estou a exagerar babes. Antes estivesse. Ser carpinteiro neste país é ter um El Dorado na oficina. O grande desafio começa em encontrar um que aceite o trabalho. Sim, aceite. Sei de conhecimento próprio que chegam a dar orçamentos exacerbados para o cliente não aceitar, uma vez que não têm como fazer a obra. Muito trabalho e pouca mão de obra qualificada.
  • Cozinha – contem também com três meses. Entre definir a cozinha, materiais, receber o projeto 3D , rectificar, tirar medidas, orçamentar possíveis alterações, tirar medidas para a pedra, fabricar e…instalar!

Da minha atual (e dolorosa) experiência de obras em casa, estas são as questões que têm de ficar definidas numa fase inicial de obra. Partilho para que, se quiserem construir, possam estar um pouquinho mais prevenidos. Espero ter ajudado 😉.

Vossa,

JT

Comentários


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *