#salvadorable

Não ganhávamos há 53 anos mas quando o fizemos foi logo para bater o recorde de pontos e unanimidade. Tungas!

O Salvador Sobral é o homem do momento, o orgulho nacional, o Cristiano Ronaldo da voz. 

Confesso que quando o vi e ouvi no Festival da Canção chamou-me a atenção a sua forma diferente de estar, de cantar e de vestir e admito que me causou alguma estranheza. Mas o Salvador Sobral foi como Fernando Pessoa anunciou a Coca Cola. Primeiro estranha-se e depois entranha-se. E depois do visual, veio a canção que, caramba, é linda! Achei-o um justo vencedor mas, honestamente, não achei que fosse vencer a Eurovisão. E porquê? Porque tenho a ideia formada deste festival como algo muito mais visual do que sonoro. Os vencedores dos últimos anos é que nos habituaram a isso. Retenho a Conchita, a banda de Heavy Metal, os gregos do “noma noma yei”. Mas lá estava ele. Sozinho, vestido de preto, despenteado, com luzes ténues a iluminá-lo, com a sua música, as suas mãos que também cantam e uma melodia que deixou todos rendidos.

Instantes antes eram jogos de luzes, fogo de artifício, coreografias, gente aos gritos e aos pulos. Depois veio o Salvador na sua paz. E depois dele jogos de luzes, fogo de artifício, coreografias, gente aos gritos e aos pulos. 

Mais do que ganhar a Eurovisão, ele provocou uma revolução no certame e na música. Ganhou pelo seu talento, mas também pela sua forma simples, prática e coerente de estar. Despretensioso, sensato, terra a terra e honesto com ele próprio e com a sua verdade. E vontade. E foi também por aqui que o Salvador conquistou. Ele nostrou que vale sempre a pena mantermo-nos fiéis a nós próprios e estarmos perfeitamente nas tintas para a opinião dos outros. 

Podíamos ter ficado nos últimos lugares, como muita gente profetizou, e até termos votos por pena, como tantos outros quiseram fazer crer. Ouviram-se críticas de maus perdedores que dizem que ele ganhou pela sua aparência de “coitadinho”. Que usou a sua doença para criar pena, que não comparecia aos ensaios para criar uma névula de mistério à volta dele. Para estes que pensam isto, Salvador Sobral responde assim:
https://m.youtube.com/watch?v=ZIY4s_KeEFg

Comentários

  1. Pedro Oliveira

    22 Maio de 2017 às 8:56

    Responder

    Mais uma vez aumentou o nosso orgulho nacional e uma grande vitória num certame cada vez mais para além da Europa.


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *