Sensor de apneia para bebés – sim ou não?

Ainda hoje, aos 4 anos de idade, acordo a meio da noite para ir aconchegar a MI. Mas não só. Meia com vergonha, assumo que coloco o meu dedo à frente do seu narizito para a sentir respirar. Confesso que se possa tratar de um medo exagerado e até infundamentado, pois o síndrome de morte súbita pode ocorrer até aos 12 meses, sensivelmente, mas como sofro de  uma grande dose de galinhite aguda, a ideia de faltar com o que quer que seja às minhas crias deixa-me assim, meia totó. Agora estão a ver o cenário…se faço isto à MI, imaginem ao bebé. Já aqui escrevi que é daquelas coisas que me assusta mesmo muito. A possibilidade de o bebé deixar de respirar e de eu não me aperceber deixa-me muito ansiosa e nestas coisas já se sabe, quando se partilha isto com as pessoas há sempre alguém que diz que conhece um caso em que isso aconteceu, o que potência a nossa panca pelo assunto.

Quando uma amiga me falou de um monitor / sensor de apneia para bebés , devo ter tido a mesma reação do esquilo quando vê a avêla, no filme “Idade do gelo” . Quis saber tudo, li tudo, procurei tudo sobre a matéria e claro, onde comprar…para ontem! 

O da minha amiga é um sensor que se coloca na fralda, registando assim os movimentos respiratórios do bebé. Se não os “sentir ” passados 20 segundos, emite um som de alerta. Coloca-se do lado de fora da fraldinha.

(Foto Google)

Apesar de achar que não é a coisa mais desconfortável do mundo, pesquisei mais e encontrei um que acho bem mais prático e que permite ser usado mesmo por bebés mais exploradores e que arrancam tudo quanto têem.

Acabei por adicionar este à minha wish-list maternal e agora é o que uso


(Foto Google)

Escrevi sobre este achado – pelo menos para mim – no blog, antes do Afonso nascer e agora com o Baby cá fora e a usar o sensor de apneia para bebés já estou apta a dar a minha opinião. 

O aparelho é composto por 2 discos que se colocam debaixo do colchão, ligados a uma espécie de centralina. Quando a caminha é pequenina e o bebé ainda não gatinha, como é o caso, só é necessário pôr um disco. Eis o meu:

O aparelho liga-se facilmente num botão e emite uma luz azul quando em funcionamento. E apita bemmmmm! Como sei que apita bem? Felizmente não apanhei nenhum susto, mas esqueci-me sim de o desligar. É que durante a noite o meu Baby acorda para mamar e ao pegar nele esqueço-me por vezes de carregar no botão para desligar o aparelho. Conclusão, passados 20 segundos, como não regista movimentos respiratórios, emite um som sonoro capaz de fazer inveja aos bombeiros voluntários de São Domingos de Rana. 

Escolhi este da Babysense por ser o sensor de apneia mais completo e por estar certificado internacionalmente como dispositivo médico. Existem outros, mas cada mamã saberá fazer a sua escolha. Esta foi a minha e recomendo. 

Quem quiser saber mais e encomendar para receber confortávelmente no conforto do lar pode fazer como eu, a fanática por compras on-line, através do site da mega eficaz sweetcare – aqui

Uma leitora do blog escreveu-me, a propósito do anterior post sobre monitores/sensores de apneia, dizendo que a ideia parecia-lhe interessante mas que não justificava o investimento. Ora, eu encaro-o exatamente assim, como um investimento. É certo que a humanidade sobreviveu até agora sem necessidade destes aparelhos, mas prefiro este investimento e ter mais tranquilidade nas minhas noites e na minha consciência. 

E se um dia apitar por não registar movimentos respiratórios (Deus me livre e guarde), cá estarei para pôr em prática o suporte básico de vida que aprendi. Pelo menos estarei lá na hora “H”. 

Vossa,

JT

Comentários

  1. Bruna Bastos

    14 Janeiro de 2018 às 12:26

    Responder

    Eu tinha dúvidas quanto a esse investimento, mas quanto mais leio e me informo vou criando a certeza de que vale muito a pena.
    No entanto, uma amiga possivelmente irá trazer para mim dos EUA. Gostaria de saber o tamanho exato desse aparelho para eu ter ideia de quanto espaço ocupará na mala dela. Pode me ajudar com essa informação? Muito obrigada pelas dicas!

    • Joana Teles

      15 Janeiro de 2018 às 9:24

      Responder

      Olá Bruna! Tudo depende do sensor que comprar. Se for o que se coloca na fralda, estamos a falar de algo muito pequeno, talvez uns 10/15cm. O que eu uso é maior, pois coloca-se debaixo do colchão do berço. A caixa deve ter uns 25/30cm. Não lhe consigo precisar. Mas espero ter ajudado!

  2. Débora

    16 Janeiro de 2018 às 13:17

    Responder

    Quando utilizamos esses sensores será que há problemas em colocar a bebê pra dormir de bruços?
    É que minha filha só dorme bem de bruços. O motivo deu comprar é para justamente coloca-la para dormir de bruços e poder dormir tb, sem ter de ficar olhando a cada minuto

    • Joana Teles

      31 Maio de 2018 às 10:30

      Responder

      Olá Débora, dá sim! O monitor “sente” regista e os movimentos respiratórios do bebé. Mais “facilmente” o fará quando o bebé está de bruços. Eu aconselho, ajuda a ter noites mais tranquilas :)! Beijinhos e felicidades!

  3. Ana

    5 Agosto de 2018 às 15:54

    Responder

    Olá! Já tinha ouvido falar neste aparelho, mas agora que estou grávida, começo a pensar seriamente em adquirir um. Nas aulas pre parto, falaram muito na posição do bebé dormir( de barriga para cima) para evitar possíveis engasgamentos, gostaria de saber se o aparelho tb funciona nestes casos? Obrigada!

    • Joana Teles

      21 Agosto de 2018 às 15:27

      Responder

      Olá Ana, o aparelho funciona sempre, é super sensível. Inclusivamente, vem com dois sensores de colchão. Quando o bebé é pequeno, sugerem usar só um, quando crescem dizem para usar os dois, pois já está maior, pode gatinhar pela cama e adormecer noutra posição, etc. Para mim foi um descanso. Beijinhos

  4. Isabel

    14 Outubro de 2018 às 13:03

    Responder

    Ola Boa tarde. Sabe-me dizer se o aparelho funciona no caso do engasgamento? E que a minha filha engasga-se muito mas mexe-se. Sera que o aparelho regista a falta de ar mas com movimentos do bebé?

    • Joana Teles

      14 Outubro de 2018 às 21:54

      Responder

      Olá Isabel! Tanto quanto sei, o aparelho só apita quando não detecta os movimentos (respiratórios também) do bebé. Não lhe posso dizer que seja o mais eficaz no caso do seu bebé, só mesmo o pediatra poderá indicar. Espero que tudo corra pelo melhor. Beijinhos

  5. rosangela gois

    17 Fevereiro de 2019 às 9:51

    Responder

    o aparelho que menciona colocado por baixo do colchão e consegue sentir paragens respiratórias ? A nossa bebe tem 10 dias e teve duas paragens respiratórias ambas ao colo. Acho que vou optar por um aparelho na fralda.

    • Joana Teles

      5 Março de 2019 às 15:26

      Responder

      Olá Rosângela, tanto quanto sei e me foi passado, sim. Mas aconselhe-se com o pediatra da sua bebé. Saberá a melhor opção. Que tudo corra pelo melhor 🍀

  6. Filipa Costa

    11 Maio de 2019 às 8:34

    Responder

    Olá! O meu bebé não dormia voltado para cima, não ficava na caminha dele nem meia hora. Ouvi de tudo… menino mal habituado, com manhã, demasiado colo de mãe, entre outras coisas…. O meu bebé dormia maravilhosamente bem deitado no meu peito e percebi que a posição de barriga para cima não lhe era confortável, de todo! Bolçava imenso e agitava os braços… Comprei o baby sense 7 da Luvion e foi o nosso descanso! Passou a dormir 12 a 14 horas todas as noites na sua caminha. Nada mau para um bebé “manhoso e mal habituado”, certo? 😂
    Aconselho vivamente. Deu descanso ao bebé e à mamã. Hoje, com 10 meses, só me arrependo de não ter sabido da existência deste aparelho mais cedo!

    • Joana Teles

      15 Maio de 2019 às 14:50

      Responder

      Obrigada pela partilha Filipa! Ainda bem que tudo se resolveu. Beijinhos!


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *