Cães-guia em Portugal

Sempre foi para mim um dos expoentes máximos de dedicação e inteligência que um cão pode dar. 

Hoje fui conhecer a única escola portuguesa de cães-guia. Fica na vila de Mortágua, distrito de Viseu e cede cães-guia para todo o país. Nasceu em 1995, mas a sua atividade plena começou em 2000. É uma IPSS apoiada em parte pelo Estado e outra pela sociedade civil. Cede cães-guia gratuitamente – cede, não oferece – a cegos que se candidatem a estes animais. 

Os labradores são a raça preferencial pela doçura, inteligência e capacidade de aprendizagem que têm. Começam a ser treinados aos 12 meses, num regime semanal. Ao fim-de-semana ficam na família de acolhecimento. Esta oferece-se para cuidar do cão, dando-lhe as bases de socialização e algumas regras de convivência. São pessoas comuns que por estarem próximas da Escola de cães-guia, voluntariam-se para o efeito, sabendo que daí a algum tempo terão de se despedir dos cães-guia.

O Jackie e a Vikea têm dois anos e só precisam de mais algumas aulas para estarem prontos para fazer parte da vida de um deficiente visual. 

  
Além de serem muito dóceis e brincalhões é fácil perceber porque se estabelece uma relação de “cão-fiança”. Eles assumem a missão de serem cães-guia como um trabalho, tendo a sensibilidade para perceber que o seu dono precisa e que confia neles. 

Além da capacidade inata destes cães, conta em muito o incrível trabalho da Marta Ferreira e Sabina Teixeira, as únicas educadores destes cães em Portugal. A eles junta-se Vítor Costa que trata dos cachorros. Tiveram formação específica em França durante 3 anos e são os únicos em Portugal com esta profissão!

  
O arnês é o elemento de comunicação entre o cego e o cão-guia. Ao segurar no arnês, o cego tem de interpretar os sinais que o cão lhe dá através do corpo. O corpo do cão inclinado pressupõe um degrau, por exemplo. O cão-guia evita todos os obstáculos à altura do solo, quer sejam postes, pessoas, carros mal estacionados mas também os que estejam ao nível da cabeça do cego, como ramos de árvores. Sabe escolher o piso menos acidentado, procura um lugar vago no autocarro ou no café e leva-o até ao balcão de atendimento num estabelecimento comercial por exemplo. 

Fiz um teste pegando no arnês e fechando os olhos e é uma sensação que dá para refletir. Dei por mim a sentir o meu cérebro muito mais desperto para os sons e fiquei muito concentrada nos movimentos do cão, analisando as suas passadas. Foi uma reação absolutamente involuntária, o que reflete bem como o nosso cérebro reage quando está privado de algo. Para além destas considerações, a mais curiosa veio com a minha total necessidade de confiar no cão-guia para me ajudar a fazer o percurso de olhos fechados. Ele foi os meus olhos naquele momento e é até comovente a forma como me auxiliou. 

  
Findo o treino, há que encontrar o dono certo para o cão-guia. Perfis e personalidades são analisadas de ambos os lados. A lista de espera é imensa e estes cães-guias são cedidos gratuitamente aos cegos. A dupla tem um período de habituação de 2 semanas, uma passada na escola e a outra no novo ambiente familiar, com a presença da educadora. Pode acontecer não funcionarem e a partir daí há que escolher novo parceiro.

Estes cães-guia ficam com o seu novo dono até se reformaram. Nessa altura, voltam à Escola de cães-guia, já que esta é a real dona dos mesmos, uma vez que cedem temporariamente os seus cães-guia. 

  

É um trabalho muito bonito de todas as partes. A Escola de Cães-Guia também precisa de ajuda. Desde um “gosto” até a um donativo, tudo é bem-vindo :)

Escola de Cães-guia: http://www.caesguia.org

Facebook :  https://www.facebook.com/caesguia.org/

Até já, 

Vossa,

J!

Comentários

  1. Ana Sá

    28 Janeiro de 2016 às 17:00

    Responder

    Não só pelo fato de serem cães-guia, os labradores é a raça de cão que qualquer família deveria ter em suas casas! São doces, meigos, companheiros, brincalhões até para com as crianças.
    Eu tenho um cão de de raça Labrador e adoro-o. Não me imagino sem ele. :)
    Beijinhos

    • Joana Teles

      1 Fevereiro de 2016 às 0:13

      Responder

      Só quem tem é que sabe e valoriza Ana :)! Beijinhos

  2. Alexandre Antunes dos Santos

    19 Março de 2018 às 22:15

    Responder

    Boa noite,
    Sem prejuízo de poder ir ajudando de imediato, o apoio que, a prazo, pretendo dar é mais significativo.
    Por favor contactem-me.
    Obrigado.


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *