Babete precisa-se!

Os leitores mais assíduos do blog conhecem a minha velha luta inglória de olhar para a minha filha e perceber que algures ali residem genes meus. Como estratégia de defesa insisto que tem o meu sorriso (ainda que poucos o reconheçam) e que “há-de” ter o meu feitio. Bom, começo a reparar que acertei e que o feitio já se manifesta. Apesar da M.I ser uma cópia do pai em feminino mas de olhos verdes escuros, toda ela é menina. Do alto dos seus quase 3 anos já vejo nela muito de mim. O que é preocupante. Meu marido, como te admiro por me aturares.

Quem lhe perguntar o nome leva um “xou pinxexa”, o que se coaduna na perfeição com a tiara que teima em usar pela casa, assim como uma saia de tule rosa, cheia de irritantes brilhantes que se espalham pela casa e se enfiam em sítios estranhos (ontem fui dar com uma lantejoula na ponta do nariz do meu cão). Pai Natal,  “amaldiço-te” por este presente tão encantador.

A M.I é mega sensível e quem lhe falar num tom mais sério é capaz de despertar a catarata do Niagara que existe no seu metro de gente. Por outro lado, é super despachada, ajuda a pôr e levantar a mesa, gosta de ajudar e adora brincar sozinha. Gosta de falar quando lhe olham nos olhos, mas rapidamente diz “‘ná quê falhá” quando o diálogo proposto não lhe enche as medidas. Numa visita ao shopping, paramos numa loja de brinquedos. A tentação é mexer em tudo o que puder, ao que lhe respondo que não pode porque “não é nosso”. Aceita o que lhe digo e saímos rumo ao corredor que nos guia para a minha loja favorita. Entro e delicio-me com tudo, pegando e vendo. Recebo um puxão das mãozinhas da M.I, que me diz ” não é noxo mamã! Vamos embóia!” Fiquei sem reação, bem ao estilo “pela lá que já almoçaste!”

Ser mãe é mesmo uma viagem alucinante que nos faz trocar prioridades, relativizar tudo e todos e sobretudo, pôr a descoberto as nossas próprias fragilidades. É também percebermos que assistimos e contribuímos para o crescimento de uma pessoa que sem saber, nos faz sorrir até no coração. 

Recebi hoje a “avaliação” escolar da M.I. Os filhos crescem e agem com os outros de acordo com o que recebem e aprendem. Se as suas atitudes são reflexo disso, então acho que estou no bom caminho. A minha menina está crescida e vai bem na escola ;)!

  

Comentários

  1. Ana Sá

    28 Janeiro de 2016 às 17:06

    Responder

    É só motivos para a mamã babada se orgulhar da Maria Inês.
    Beijinhos :)

    • Joana Teles

      1 Fevereiro de 2016 às 0:14

      Responder

      É mesmo 😉


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *