Todos iguais nas nossas diferenças! 

Celebra-se hoje o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e serve este meu post para fazer a minha parte. E a minha parte passa por partilhar a minha experiência na APPACDM, em concreto com o Centro Atividades Ocupacionais (CAO) da Ajuda e para divagar um pouco sobre o tema, neste meu (nosso) cantinho de partilha. 

Lembro-me de andar na escola preparatória e de lá termos um colega com Síndrome de Down. Era absolutamente marginalizado por todos e eu ia no embalo. Como “aparentemente” não se manifestava, tornava-se difícil interagir com ele e também não havia nenhuma preocupação por parte dos professores nesse sentido – “é mongolóide, coitadinho” – era a frase que mais se ouvia.  Felizmente a sociedade evoluiu e (algumas) pessoas também. Hoje, a pessoa com Síndrome de Down já é mais compreendida, mais aceite, mais respeitada. Respeitada. O mesmo respeito que, por ignorância, tantas vezes foi tirado às pessoas com esta condição mas que agora, aqui e ali, lhes vai sendo devolvida. Muito deste trabalho está espelhado nas instituições que acolhem estas pessoas. De acordo com as suas valências cognitivas, ensinam, aprendem, dão e recebem mais. Muito mais. O carinho e afeto que encontrei hoje no CAO da Ajuda foi uma surpresa absolutamente feliz para mim. A casa em si é acolhedora e colorida, como um verdadeiro lar deve ser, e em cada canto, a inspiração, respeito, valorização acontece…

   

Uma das atividades que realizam, diz respeito às ações do dia-a-dia, onde a aprendizagem de culinária se torna fundamental para que se tornem independentes e auto-suficientes. Bem dispostos, comunicativos, muito afáveis e de braços abertos. Foi assim que me receberam. A Dra.Filomena Abraços (que apelido perfeito para o que faz!) chamou-me logo de “amiga”, dando o mote que faltava para me sentir tão bem aqui

  
Fiquei também deslumbrada com os trabalhos manuais adoráveis que executam para venda

  
Num rol de atividades tão rico e intenso não falta até uma rádio, que aqui se chama Rádio Acreditar

  

E “acreditar” é o que fazem estes utentes e todos os grandes profissionais que com eles trabalham. Porque acreditar é o que precisamos para viver num mundo sem preconceitos e mais justo, onde a integração de todos é possível porque todos temos o nosso espaço, a nossa qualidade, a nossa quota parte de mais valia para a comunidade. O que é preciso é acreditar! Respeitar, valorizar…

Dedico este post a todos os que frequentam e trabalham no Centro Atividades Ocupacionais da APPACDM na Ajuda. Obrigada a todos! Fizeram magia comigo. Fizeram-me feliz por vos ver tão capazes, tão felizes, tão respeitados! Que exemplo maravilhoso! 

Até já, 

Vossa, 

J! 

 

Comentários

  1. Adriana

    4 Dezembro de 2015 às 10:10

    Responder

    Na apce o curso de assistentes admnistrativos tanbem foi assinalar a data e fomos a g.n.r ver o trabalho desenvolvido pela g.n.r vimos os caes policias andamos de mta e de cavalo. E de facto maravilhoso como estas pessoad nos conseguem surprender com as suas conquistas e as suas aprendizagens. Quando estava no curso de animacao fui estaguar para uma unidafe de multidificiencia e foi muto muito boa a expriencia e a partilha que fiz , conseguique uma crianca com trissomia 21 conseguissse atar o sapato e essr momento levo sempre comigo. beijinhos grandes eles ficaram felizes e a joana tanbem.

    • Joana Teles

      6 Dezembro de 2015 às 8:11

      Responder

      Parabéns Adriana! Belo exemplo que partilhaste. Beijinhos e obrigada


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *