Adeus! 8 anos depois.

Pouco tempo depois de ter entrado para o curso de apresentadores da RTP em 2007, o Daniel Oliveira, na altura ainda no Só Visto! , ligou-me para me convidar a pertencer à equipa do programa. Lembro-me bem do que senti. Não me caiu logo a ficha. Desliguei a chamada e fui falar com a família. Era sábado e íamos começar a almoçar – “Ligou-me agora o Daniel Oliveira. A convidar-me para ingressar no Só Visto!”. A minha irmã virou-se da cadeira num salto ” O Daniel Oliveira?O apresentador de televisão do programa das tardes de domingo?”

Caiu-me a ficha e até comecei meia a tremer.

Havia aceitado o desafio, sem fazer previsões de coisa nenhuma, não fiquei particularmente estérica e limitei-me a absorver tudo quanto podia a partir  de então. Afinal, seria o meu primeiro projeto televisivo. 

Estive 5 meses a fazer as reportagens que aconteciam pelo norte, mas em janeiro de 2008, o Daniel Oliveira convidou-me a ir para Lisboa. A equipa do norte  ia terminar e a querer continuar no programa, teria de ir viver para Lisboa. Aceitei. 

Lembro-me bem do dia em que peguei no meu carro em direção a Lisboa. Para viver. Ia atulhado de coisas. Edredões, panelas e pratos, roupa e almofadas, tudo quanto cabia. O carro ia cheio. Eu é que não. 

Fiz-me à estrada com o coração apertado. Ia viver sozinha pela primeira vez, longe de tudo e de todos, longe do que era meu, dos que eram meus. 

Ainda que pareça estranho (são só 300km de distância ), sentia-me a emigrar. Não conhecia bem a cidade, não conhecia nela ninguém, não tinha sequer uma casa para ficar. Para trás ficava a minha vida, tal como a conhecia. Os 360º são irrisórios para definir em tudo aquilo que a minha vida mudou. A estrada levava-me então para um futuro absolutamente fora de tudo aquilo que perspectivei para mim. Uma vida que me bateu à porta e que não criei. Apareceu. E eu aceitei-a.

A minha primeira reportagem não podia ter sido mais caricata e desafiante. Entrevistar a própria equipa, a propósito da celebração do aniversário do programa! Praxaram-me de diferentes formas – mandaram-me à piscina, diziam patetices, outras vezes não me respondiam, deixando-me apenas com o microfone na mão para ver como se safava. Como em todas as boas praxes, ou ficamos integrados no espírito ou não. Creio que fiquei. Tinha 25 anos e sentia-me pronta para dar tudo o que tinha, já que o que sabia era praticamente igual a zero! 

Seguiram-se horas, dias, semanas e meses a fio a ver tudo quanto podia, a analisar o trabalho dos colegas, a ficar a trabalhar até às 2 e 3 da manhã para ver fazer televisão. Aprender termos técnicos, edição, pesquisas e formas de entrevistar ao ” estilo só visto!”. Coisas que nunca tinha visto ou ouvido, porque é com a prática que nós nos fazemos. 

Fui bem recebida na equipa que estava já num andamento muito à frente do meu. Estavam lá para me ajudar, mas tinha que me desenrascar e acompanhá-los. Como gosto de ser desafiada, andava sempre à espera para fazer melhor;fazer diferente. Tive muita sorte em ter podido trabalhar e aprender com o Daniel Oliveira, o Sérgio Oliveira, a Margarida Barreiras, o Filipe Gonçalves, a Dália Madruga, a Ana Galvão e a Bárbara Oliveira Pinto. Obrigada a todos. 

Mas não foi um mar de rosas. Houveram momentos em que quis desistir. Muitos até. E eu não sou nada disso. Mas…quando as semanas de trabalho eram consecutivas e não conseguia ver a família… Quando chegava ao hotel e ficava completamente sozinha. 

“Hotel?”poderão perguntar…O meu carro continuava cheio de coisas até ao banco do pendura. Parecia que vivia lá dentro. Estava apinhado de coisas,  à espera de uma casa,  coisa que só consegui uma semana depois de chegar a Lisboa. (Também à procura da minha casa dava um post gigante…)

Nestes 8 anos de Só Visto!, fiz-me profissional. Não tenho o curso de Comunicação Social, fiz-me com a práticos, a observação, a humildade e o espírito de aventura. Deixei de ser uma mulher do Norte com “pêlo na venta”. Aprendi a calar, engolir, vergar, mas nunca cair. 

Chega ao fim o meu percurso neste programa. Tudo, tudo, tudo o que sei foi nele que aprendi. Edições, alinhamentos de programas, pesquisa e conteúdos. Falhanços e conquistas. 

Nesta reta final, foi um prazer trabalhar com a Sílvia Alberto, o Miguel Monteiro, a Adriane Garcia e a Rita de la Rochezoire. “Suguei-lhes” talento. Voltei a aprender muito. Se calhar nem sabem. Nem a primeira equipa do Só Visto! se calhar sabe. Se souberem que estão num cantinho especial do meu coração, já me dou por satisfeita. 

Por último, o meu agradecimento vaipara quem trabalho. O público. Obrigada por me aceitarem, nos bons e mais momentos. E por deixarem “entreter-vos”!

O caminho agora faz-se pelos programas “Aqui Portugal” e “Agora Nós”. Até já! Sempre, até já!

Vossa,

J!

Comentários

  1. Pedro Oliveira

    30 Outubro de 2015 às 17:04

    Responder

    Até já. Como boa profissional que é, o sucesso vai continuar.

    • Joana Teles

      2 Novembro de 2015 às 21:15

      Responder

      Muito obrigada Pedro! Palavras encorajadoras sabem sempre bem! Até já!

  2. Adriana

    31 Outubro de 2015 às 21:18

    Responder

    Não acompanhei sempre os 8 anos do só visito , mas do que acompanhei do programa sempre achei ser um programa interessante pela sua variedade de temas e entrevistas foi um bom programa adorei as entrevistas e reportagens.
    Também não acompanhei o inicio da joana na RTP e no so visto so acompanhei mais nos últimos 2 anos mas sempre achei e mantenho a opinião que a joana e uma excelente profissional que mesmo não tendo o curso de comunicação social se “desenrasca ” muito bem .
    Imagino o seu nervosismo no primeiro trabalho realizado para a RTP foi um bom desafio , mas acredito que tenha ficado muito feliz por ter entrado para a RTP porque afinal era o seu sonho e estava a realiza-lo =). Agora passados os 8 anos do so visto e da sua ida para a RTP tenho a certeza que esta mais feliz e cada vez mais realiada por fazer tudo aquilo que gosta. beijinhos grandes. Continue sempre a ser a exelente profissional que é

    • Joana Teles

      2 Novembro de 2015 às 21:17

      Responder

      Muito obrigada Adriana! É muito bom ter leitoras como tu! Sempre pronta a apoiar! Beijinho grande e até breve!

  3. Ana Sá

    1 Novembro de 2015 às 12:36

    Responder

    Muitos parabéns querida Joaninha…. O programa que te viu a crescer… tornar-te uma excelente repórter e a excelente profissional que és… e ninguém te pára nem te irá parar!! :)
    Beijinho grande

    • Joana Teles

      2 Novembro de 2015 às 21:19

      Responder

      Muito obrigada Ana! Tudo tem um fim e tudo tem o começo que lhe quisermos dar ;)! Beijinho grande


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *