Sob pena de ferir susceptibilidades…

…mas sendo fiel a mim mesma e àquilo que entendo ser umas das grandes manifestações da falta de inteligência de alguns seres “humanos” , foi com tristeza mas pouca surpresa que li as notícias sobre as ameaças de morte que Nuno Markl e Ricardo Araújo Pereire têem sido alvo, a propósito da campanha ‘Enterrar Touradas’, lançada pela ANIMAL, uma ONG de defesa dos direitos dos animais.

Num vídeo, Nuno Markl e Ricardo Araújo Pereira apelam às pessoas que assinem duas petições: uma a favor da Proibição da Assistência e Trabalho de Menores em Espectáculos Tauromáquicos e outra que exige a Proibição de Subsídios Públicos às Actividades Tauromáquicas

Expressam:

– Umas quantas verdades inconvenientes (apoio do Estado a uma prática de nicho)

– Fomentam uma petição que só assina quem quer

– Dão voz a uma demonstração de violência disfarçada de “tradição”

Os aficionados defenderam-se, recorrendo aquilo que fazem na sua atividade profissional contra os touros – violência –  “Infelizmente não vejo estes senhores dos direitos dos animais no abate de espécies em vias de extinção… Sabem porquê? Porque alguns deles também participam nessas caçadas… Dito isto… Vamos dar uns tiros também nestes senhores, não?” e “És é um bom F**** e mentiroso, mas a tua vidinha e desse fantoche do Ricardo Araujo Pereira também é feita de mentiras e fantochadas. Podes ser contra, mas como cidadão não devias ser um fantoche aldrabão!” são alguns dos comentários visíveis no perfil de facebook

A página ProToiro, da Federação Portuguesa de Tauromaquia, também reagiu ao vídeo dos humoristas através da mesma rede social: “Protestem contra as mentiras de Nuno Markl e Ricardo Araújo Pereira sobre as touradas(…) A ProToiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia, lamenta que duas figuras públicas venham de uma forma tão leviana, demagógica e irresponsável, promover preconceitos taurofóbicos sobre os milhões de portugueses que vivem e amam livremente a sua cultura”

Nuno Markl fez questão de usar o Facebook e respondeu:

“Caros aficionados: eu e o RAP manifestámos a nossa opinião sem vos insultar ou ameaçar de pancada/morte. Não vos queremos mal, queremos é o bem dos touros. Essa é uma diferença importante. Tentemos ser uma sociedade digna desse nome e manter o debate sem agressões pessoais – e isto é válido também para quem está do nosso lado da polémica: baixar o nível lixa tudo para ambos os lados. Não lixa tanto como ao touro, mas lixa”

Que eu saiba, estamos numa sociedade livre (41 anos de 25 de abril celebrados ontem, se bem se lembram), onde podemos manifestar a nossa opinião e se quem o faz, não falta ao respeito e educação, então está no seu pleno direito de a demonstrar! E quem não está de acordo pode também manifestar esse desagrado, já que também está no seu direito, e merece ser respeitado se mantiver o nível de educação e civismo. O problema é que alguns aficionados não o sabem fazer e partem para a violência verbal (e física se pudessem, a avaliar pelos comentários que proferiram)

São milhares e não “milhões de aficionados”,  e cada vez mais o seu número diminui porque, felizmente, evolução pressupõe inteligência. E também não lhe chamem tradição…

…também era tradição os presos romanos serem lançados aos leões no Coliseu de Roma e os gladiadores lutarem até à morte de um deles. Também era tradição queimar pessoas vivas, cortar cabeças em público e crucificar pessoas. Mas a “tradição” acabou. Felizmente a inteligência supera a estupidez.

Assinei a petição. Odeio touradas. Não defendo chaniças. Defendo tradições que revelem a cultura de um povo, não a de poucos milhares.

Sou contra e estou no meu direito

http://www.enterrartouradas.org/

Comentários

  1. Ana Sá

    26 Abril de 2015 às 23:35

    Responder

    Eu também sou contra.

  2. Carmen

    27 Abril de 2015 às 8:28

    Responder

    Claro que só assina quem quer e eu assinei. Tal como a Joana escreveu esta “desculpa” das tradições é uma treta utilizada pelos idiotas que não tem mais a que recorrer para defender as suas ideias.
    Obrigada pela divulgação e beijinhos.

    • Joana Teles

      27 Abril de 2015 às 19:26

      Responder

      Nem mais! Beijinhos

  3. João Abreu

    28 Abril de 2015 às 14:40

    Responder

    Estou de acordo, toda essa situação é lamentável. E há até quem ameace cessar contrato com a MEO só pelo facto de o RAP ser a cara da companhia e ter aquela opinião sobre as touradas. Ridículo.

    • Joana Teles

      1 Maio de 2015 às 22:58

      Responder

      País pequeno João. Na mentalidade. É a única justificação…


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *